Portugueses entregam 15 casas por dia à banca

Foram 5.500 os imóveis que, em 2012, foram entregues às instituições financeiras por incapacidade de pagar o crédito. Um número que representou uma queda de 21% face a 2011.
As dificuldades em pagar os créditos contraídos continua a levar muitos portugueses a entregar a casa aos bancos. Segundo os números publicados hoje pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), no último trimestre do ano passado, foram entregues 1.070 imóveis em dação em pagamento, menos 3% do que no trimestre anterior.
Este número elevou para 5.500 o número de imóveis entregues aos bancos, no acumulado de 2012. Ou seja, em média, os portugueses entregaram 15 imóveis por dia aos bancos. Este valor total representa, no entanto, uma queda de 21% em relação aos 6.900 imóveis entregues aos bancos, no ano de 2011. Neste caso, a média é de 19 casas por dia.
Os primeiros três meses deste ano traduziram-se num total de 2.300 dações em pagamento. No entanto, os dois trimestres seguintes e também o último trimestre do ano, revelaram um abrandamento do número de casas entregues pelos portugueses às instituições financeiras.
A “consciencialização da gravidade do problema por parte do sector financeiro” é, segundo Luís Lima, presidente da APEMIP, a principal justificação para a diminuição do valor de imóveis entregues.
“No primeiro trimestre de 2012, previa-se um colapso autêntico do mercado imobiliário, com um aumento de 74% no número de imóveis entregues face ao mesmo período de 2011”, acrescenta Luís Lima, em comunicado.

Para o presidente da APEMIP, o balanço do ano de 2012 mostra “bem que o sector financeiro passou a encarar o fenómeno com outra sensibilidade, passando a assumir um papel mais atento e preocupado junto dos seus clientes, e criando deste modo um ambiente mais propício à renegociação dos créditos que se revelou bastante importante”.
Para além das famílias, os números da APEMIP incluem também as dações em pagamento de promotores imobiliários, que representam “parte significativa do total de imóveis entregues em 2012”.
“Em municípios como Sintra, Guimarães, Entroncamento, Montijo, Lagos, Valongo Figueira da Foz e Tavira, esta realidade [imóveis entregues por pessoas que investiram na promoção imobiliária e no desenvolvimento de novos projectos e empreendimentos] representou no ano em análise, aproximadamente, metade, e em alguns casos mais de metade da totalidade dos imóveis em causa”, acrescenta o comunicado.
No total, ou seja, incluindo famílias e promotores imobiliários, os dados da APEMIP permitem verificar que as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto concentraram 31% dos casos de dação em pagamento, em 2012.